Usar cadeia de nossa senhora

09/30/2019 Por companiaweb

O que são as cadeia de Nossa Senhora?

As correntes são sinais da devoção externa na Consagração à Santíssima Virgem Maria. Quando abençoadas por um padre, são sacramentais. É um sinal visível de uma realidade invisível, que é a consagração.

Elas simbolizam o rompimento com a escravidão do pecado. Não tínhamos vergonha de arrastar as correntes do pecado pelo mundo, também não devemos ter vergonha de mostrar nossa escravidão ao Amor de Deus.

Se lermos no Tratado da Verdadeira Devoção do número 236 ao 242, já temos um bom norte sobre a devoção das pequenas cadeia de nossa senhora.

Os sinais externos também são uma forma de louvar e glorificar a Deus, como também é o nosso corpo. São Luís diz:

Portanto, que nenhum mundano critique, nem aqui meta o nariz, para dizer que a Verdadeira Devoção reside no coração, que é preciso evitar as exterioridades, que pode haver nisso vaidade, que é preciso ocultar a devoção, etc. Respondo-lhes com o meu Mestre: “Que os homens vejam as vossas obras boas, e glorifiquem o vosso Pai que está nos céus” (Mt 5, 16). Não que se devem fazer as ações e devoções exteriores, como diz São Gregório, para agradar aos homens e tirar daí algum motivo de louvor, pois isso seria vaidade. Mas por vezes fazem-se diante dos homens com o fim de agradar a Deus e de, por este meio, o fazer glorificar, sem a preocupação do desprezo ou louvor dos homens.

São Luís diz que o uso delas é dispensável [236], ou seja, não é obrigatório, porém é muito louvável quem a usa.

Embora sejam cadeia cadeia de nossa senhora de ferro, muitas vezes feias e sem brilho, são mais gloriosas que os colares de ouros dos imperadoras, tamanho seu significado.

Vamos à algumas dúvidas do uso deste sinal:

1. Posso usar a cadeia de nossa senhora sem ser um consagrado?

Usar uma cadeia de nossa senhora de ferro, em sinal da devoção à Santíssima Virgem Maria sem ter feito a consagração e sem ter lido o Tratado não é recomendado. Por que?

As cadeia de nossa senhora são um sinal exterior de uma devoção essencialmente interior. Então se não há o conhecimento e a vivência da devoção, é vago de sentido fazer o uso das correntes.

Alguns dizem: “Mas uso para me lembrar de Nossa Senhora ou para me ajudar na hora da tentação.”. Ótimo! Mas neste caso podemos usar um terço, uma Cruz ou um bracelete no braço, que são de grande valia.

É recomendado e prudente usarmos no tempo e do jeito certo.

2. Tem diferença de onde se usa a cadeia de nossa senhora?

Existem pessoas que usam no braço, no dedo, no pescoço, no tornozelo ou ainda como um cinto. Não há uma diferença implícita. Pode-se usar onde quiser.

São Luís [242] diz que pode se usar no pescoço como sinal de penitência dos colares de ouro e vaidades que se usava na vida velha; no tornozelo como sinal de servidão; no braço como sinal de trabalho manual e ainda no cinto como sinal de castidade.

Alguns trabalho como enfermeiros e fisioterapeutas, impedem o uso dela no pulso, porém, não há problema em usar em outro lugar.

3. Tem diferença da grossura da cadeia?

Apenas diferença visual. A devoção não é medida pela grossura da cadeia. Não há um nível ou hierarquia. Vai da preferência pessoal. O que se deve tomar cuidado é que o uso se torne sinal de vaidade.

Os cuidados com o uso da cadeiazinha

Devemos tomar cuidado pois não levamos simplesmente uma correntinha, um terço ou uma Cruz no braço, mas levamos o nome da Santa Igreja, da Virgem Maria e do próprio Deus.

Portanto, nosso testemunho de vida deve ser condizente com a devoção que mostramos ter. Devemos tomar cuidado com os lugares que vamos, com as coisas que bebemos, com as pessoas que andamos, pois carregamos conosco a história de uma fé.

E é triste pensarmos quantas são as almas perdidas pelos falsos testemunhos. Não digo apenas de drogas, bebidas e sexo, mas também de egoísmo, falta de educação, falta de caráter, falta de sinceridade e tantas outras coisas que poderíamos enumerar.

Não somos perfeitos, longe disto! Sempre iremos pecar e lutar contra esta nossa natureza, mas há uma diferença entre escorregar e cair e ficar se lambuzando na lama do mundo por vontade própria.

As cadeias, ou correntes, são um sinal visível dessa pertença total a Deus, que renovamos na consagração a Jesus por Maria. Não tenhamos medo da “escravidão” e das “correntes”, pois a consagração nos une a Jesus Cristo e a Virgem Maria com cadeias de amor.

Qualquer dúvida, estamos a disposição!

Salve Maria Santíssima.